segunda-feira, 6 de junho de 2016

Caruru



Presente em quase todas as regiões do Brasil, o caruru é uma planta silvestre e comestível que cresce cerca de 80 cm. De grande valor nutritivo, a planta é, em muitos lugares, considerada um mato, uma praga que para nada serve. Conhecido popularmente como bredo, a planta é de uso comum na região da Bahia, onde é usada para diversas receitas e, inclusive, um dos pratos típicos do estado recebe o nome Caruru. Rico em ferro, potássio, cálcio e vitaminas A, B1, B2 e C, todas as suas partes podem ser consumidas.
A planta, por ser de fácil propagação e de grande valor nutritivo, é uma ótima opção de complementação alimentar, sendo comumente encontrada nos pratos de famílias mais humildes. Pode ser preparada refogada e servida como acompanhamento a outros pratos.

Como utilizar?
Todas as partes do caruru são comestíveis e as suas sementes podem ser ingeridas torradas, em pães ou outras receitas. Refogado, misturado a outros ingredientes, o caruru é um alimento saboroso e muito utilizado em muitas regiões do Brasil. É usado em refogados, molhos, pasteis e panquecas.

O chá de caruru
Para preparar o chá de caruru, leve um litro de água ao fogo, juntamente com 100 gramas da planta. Deixe ferver por 10 minutos, desligue o fogo e abafe o recipiente. Cinco minutos depois, coe, adoce se assim preferir e beba duas vezes ao dia, preferencialmente antes das principais refeições.

Seu uso medicinal
Além de suas muitas propriedades nutricionais, o caruru também pode ser usado como uma erva medicinal. Eficaz no tratamento de infecções, problemas hepáticos, catarro da bexiga, afecções do fígado e hidropsia, é ainda um excelente lactígeno, aumentando a produção de leite pelas glândulas mamárias, tornando seu consumo muito benéfico para mulheres grávidas, ou em fase de amamentação. Além disso, a planta é, devido ao alto nível de cálcio, muito útil na formação dos ossos e dentes.

Fontes:

sábado, 20 de outubro de 2012

Do Pé ao Pote

Do Pé ao Pote é uma empresa familiar que fica próxima a São Lourenço, em MG. Lá são feitos doces tipicamente mineiros, todos orgânicos e certificados ! Uma delícia ! Experimentem !




Doce de Batata roxa, Doce de leite com Goiabada, Goiabada Cascão Gremosa


Doce de Abóbora com Coco, Doce de Leite com Coco


Doce de Leite, Doce de Leite com Caramelo de Café

 

Tabletes de Goiabada e de Goiabada Cascão


Tabletes de Doce de Leite e de Bananada (sem açúcar)

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Produtos Ecobio

A ECOBIO é uma empresa familiar de produtores rurais que industrializam seu próprio produto. São produtores orgânicos desde 1984 e começaram a industrializar os produtos em 1999.



MATINAIS
Granola - 250g
Ingredientes: aveia laminada, flocos de centeio, flocos de trigo, banna passa, linhaça, flocos de milho, flocos de arroz, melado e canela.

Flocos de Aveia - 250gr



FARINÁCEOS
Farinha de trigo branca - 500g

Farina de trigo integral - 500g



MASSAS
Massa orgânica - 400g
Ingredientes: farinha de trigo, ovos, sal e corante natural (urucum e curcuma)

Massa integral orgânica - 400g
Ingredientes: farinha de trigo integral, ovos, sal e corante natural (urucum e curcuma)




GRÃOS
Feijão Fradinho - 500g (alto vácuo)

Pipoca - 500g (alto vácuo)

Arroz 7 Grãos - 500g (alto vácuo)
Ingredientes: arroz vermelho, arroz cateto, arroz agulhinha integral, trigo, centeio, linhaça dourada, quinua

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Repolho





Repolho não é um ingrediente que agrada a todos, mas conta com a vantagem de ser um alimento barato e que pode ser utilizado de diversas formas. Em épocas de escassez, ele se tornou a base de sustento da população em diversos países da Europa.

"O repolho permite uma conservação maior que outros vegetais", afirma o chef e professor de gastronomia do Centro Universitário Senac Alessandro Nicola.

Da mesma família do brócolis, é um vegetal importante do ponto de vista dos benefícios nutricionais, tendo recebido nota máxima no sistema de pontuação de alimentos desenvolvido recentemente pela Universidade Yale, dos EUA.

As variedades principais, branca e roxa, apresentam algumas diferenças nesse aspecto. "O repolho-roxo é rico em antocianinas, os mesmos pigmentos que fazem a fama da uva e do vinho", afirma Flávia Bulgarelli, nutricionista da Unifesp e da Casa Movimento. "O branco, desbotadinho, não contém essas substâncias."

O roxo também contém o dobro de fósforo, mineral essencial para a saúde dos ossos, e mais selênio e vitamina C. "O branco contribui com uma pitada a mais de vitamina A, que previne males como a catarata, e é rico em ácido fólico", diz a nutricionista.

O sabor, no entanto, é semelhante. "O roxo é um pouco mais doce, com um amargor discreto.

A diferença é sutil, está mais no visual", diz Alessandro Nicola. "As conservas de repolho-roxo, por exemplo, não ficam bonitas porque o vinagre deixa o repolho "pink", com uma cor meio artificial."

O forte odor que emana ao ser cozido, razão da repugnância que desperta em muita gente, deve-se à presença de enxofre. Sua eliminação é simples: basta deixar a panela destampada durante o processo.

No Brasil, é mais consumido refogado ou na forma de charutos recheados com arroz e carne, à moda árabe. É o ingrediente principal do chucrute, preparação que tem raízes na Europa e pode ser reproduzida em casa, desde que seguidos alguns cuidados para evitar riscos de intoxicação.

Nicola recomenda esterilizar o vidro em que a receita será guardada com salmoura. Em seguida, deve-se colocar o pote cheio de chucrute em uma panela funda com água suficiente para chegar próximo à boca do vidro. A tampa deve ser colocada em cima, sem fechar. "Espere levantar fervura e garanta que o chucrute também ferva. Feche o vidro e deixe esfriar dentro da panela com água. Mesmo assim, convém conservar em geladeira."

Fonte: www.medplan.com.br

Salada de repolho roxo
1 repolho roxo médio bem picado
1 cebola média bem picada
1 pimentão verde bem picado
1 cenoura média ralada no ralo grosso
1/2 xícara de iogurte natural desnatado
2 colheres (sopa) de suco de limão
Sal e pimenta-do-reino a gosto

Numa vasilha junte todos os legumes.
Misture os ingredientes do tempero, acrescente os legumes e mexa bem.
Cubra e leve à geladeira até a hora de servir.


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Arroz Orgânico Solst


Arroz orgânico Solst - Santa Maria - RS

Nas versões agulhinha integral e agulhinha polido !

Mel Malva Preta - Fazenda Tamanduá


Pequena campânula do solo brotou.                                                                                                                          
Surgiu prematura e abriu linda flor.
Vem uma abelhinha provando-a gentil.
Uma sem a outra jamais existiu.
GOETHE
 
As abelhas “Africanizadas” do gênero Apis são obtidas a partir de enxames migratórios capturados na própria fazenda na época das chuvas. A cera alveolada fundamental para o desenvolvimento da apicultura biodinâmica, é produzida no Entreposto de Mel e Cera na Fazenda a partir das nossas próprias abelhas.

Na Fazenda Tamanduá, a pastagem apícola possui grande diversidade de espécies vegetais silvestres, típicas da Caatinga sertaneja, naturalmente rica e bem diversificada, proporcionando méis de excelente qualidade, com densidades, cheiros, colorações e sabores específicos para cada espécie. As principais floradas “velame, marmeleiro e malva preta” ocorrem nas épocas das chuvas, oferecendo sempre a predominância de uma planta durante o período de sua floração. No período ou na estação seca ocorre à floração de outras espécies silvestres que servem de alimentação e/ou manutenção para as abelhas, por exemplo: manga, jurema preta, angico, juazeiro, pereiro e entre outras.


Dezesseis apiários, comportando em média 20 colméias cada um, são localizados dentro da propriedade, perto de reservatórios de água.

Nossos apiários estão localizados a um raio de proteção de no mínimo 3 km de qualquer agricultura convencional, ou seja, distância que nos garante que o néctar coletado pelas abelhas seja livre de qualquer produto químico. Pois para a certificação biodinâmica, a rastreabilidade do produto final é uma grande preocupação, tendo em vista que o mel precisa ser oriundo da flora silvestre da propriedade e que sejam aplicados anualmente os preparados biodinâmicos.
 
QUE SERIA UM MEL BIODINÂMICO?
Entende-se por mel biodinâmico o produto certificado, produzido pelas abelhas a partir do néctar das flores sem qualquer resíduo químico, não ser aquecido a mais de 37,5º C, não ser filtrado sob pressão e no manejo das colméias são realizadas aplicações de preparados biodinâmicos, buscando um equilíbrio da biodiversidade do ambiente

Segundo Rudolf Steiner “as plantas retiram das profundezas da terra os sais minerais e banhadas pelo sol conferem cor, sabor e cheiro ao néctar depositado em suas flores, as abelhas acrescentam valores de vida a este néctar e doçura ao mel e o apicultor é o artista generoso que em dias ensolarados coleta e entrega esta doçura aos seres humanos.” Assim com esta visão, produzir mel biodinâmico é colocar à disposição das pessoas o mais puro fruto do trabalho destes animais.
 
As qualidades organolépticas do mel biodinâmico da Fazenda Tamanduá, além de ser o único mel biodinâmico a ser produzido com flora predominante, tem feito deste produto um grande sucesso no mercado consumidor cada vez mais exigente em qualidade dos alimentos.

O Entreposto de Mel e Cera de Abelhas, bem como as ferramentas utilizadas no processo de coleta, decantação, filtração e envasamento foram aprovados pelo Serviço de Inspeção Federal, SIF, do Ministério da Agricultura, sob o n° 1867, garantindo uma comercialização em todo o Brasil. 

Fonte: Fazenda Tamanduá - http://www.fazendatamandua.com.br/prod03.htm

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Erva-doce


Como muitos dos seus colegas de especiarias, a erva-doce contém a sua própria combinação exclusiva de fitonutrientes, incluindo os flavonóides rutina, quercetina, e vários kaempferol glicosídeos, que lhe dá a atividade antioxidante forte. Os fitonutrientes em extratos de erva-doce comparam favoravelmente em pesquisas de BHT (butil hidroxitolueno), um antioxidante potencialmente tóxico comummente adicionado aos alimentos processados.

O fascinante fitonutriente presente na maioria da erva-doce, no entanto, pode ter anetolprimário, um componente do seu óleo. Em estudos com animais, o anetol da erva-doce tem sido repetidamente mostrado para reduzir a inflamação e para ajudar a prevenir a ocorrência de câncer. Os pesquisadores também propuseram um mecanismo biológico que pode explicar esses efeitos anti-inflamatórios e anticancerígenos. Este mecanismo envolve o encerrar de um sistema de sinalização intercelular chamado fator de necrose tumoral (ou TNF) mediada por sinalização. Ao encerrar esse processo de sinalização, o anetol no funcho impede a ativação de um gene forte, potencial de alteração e inflamação, provocando uma molécula chamada NF-kappaB. O óleo também tem demonstrado ser capaz de proteger o fígado dos animais experimentais de lesão química tóxica.



Fonte de vitamina C

Além dos seus fitonutrientes, o bulbo de erva-doce é uma excelente fonte de vitamina C, a principal massa de água solúvel antioxidante capaz de neutralizar os radicais livres em todos os ambientes aquosos do corpo. Se não forem controlados, esses radicais livres causam danos celulares que resultam na dor e deterioração das articulações, o que ocorre em condições como a osteoartrite e a artrite reumatóide.

A vitamina C encontrada no bulbo de erva-doce é diretamente antimicrobiana e também necessária para o bom funcionamento do sistema imunológico.

Bom para o Cólon e Coração

Como uma boa fonte da fibra, o bulbo de erva-doce pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol elevados. E uma vez que a fibra também remove toxinas potencialmente cancerígenas do cólon, o bulbo de erva-doce também pode ser útil na prevenção do câncer de cólon. Além das suas fibras, a erva-doce é uma fonte muito boa de folato, uma vitamina B necessária para a conversão de uma molécula perigosa chamada homocisteína noutras moléculas benignas.

Em níveis elevados de homocisteína, que podem danificar diretamente as paredes do vaso sanguíneo, é considerado um importante fator de risco de ataque cardíaco ou derrame. A erva-doce também é uma fonte muito boa de potássio, um mineral que ajuda o sangue a alta pressão mais baixa, um outro fator de risco para os acidentes vasculares cerebrais e ataques cardíacos. Numa xícara de erva-doce, você receberá 10,8% do valor diário de fibras, 5,9% do DV para o folato, e 10,3% do DV para o potássio.

Fonte: http://www.i-legumes.com/funcho_beneficios.html